Fontes do Estresse Ocupacional na Atuação dos Profissionais Contábeis no Setor Público

  • Manoel Francelino dos Santos Filho Universidade Federal de Goiás
  • Ilírio José Rech Universidade Federal de Goiás
Palavras-chave: Fontes de Estresse. Estresse Ocupacional. Profissional Contábil. Setor Público.

Resumo

O estresse ocupacional tem sido apresentado como um fator que pode afetar negativamente os indivíduos, em seu perfil pessoal e profissional, e o ambiente organizacional que o circunda. O objetivo deste estudo foi analisar as fontes do estresse ocupacional que impactam na atuação do profissional contábil no setor público. Para tal, foi realizada uma pesquisa de caráter descritiva com abordagem quantitativa, em que a análise dos dados ocorreu por intermédio de testes não-paramétricos de Mann-Whitney e Kruskal-Wallis. Utilizou-se um questionário eletrônico que foi encaminhado aos contadores responsáveis das universidades públicas brasileiras, tendo por parâmetro a escala de fatores do estresse validada por Paschoal e Tamayo (2004), ajustada ao presente estudo. Com os resultados, foi possível constatar que as fontes de estresse relativas à quantidade de trabalho e falta de capacitação apresentaram altos níveis de estressores percebidos, com os maiores índices médios avaliados. Enquanto que as fontes pouca valorização e falta de autonomia foram consideradas em um médio/considerável nível de estressor percebido. Quanto ao gênero as mulheres, em grande parte, apresentaram maiores níveis de estressores percebidos que os homens. Do exposto, a pesquisa contribui para que no ambiente organizacional das universidades sejam implementadas políticas públicas para prevenção e/ou mitigação das fontes que podem ocasionar o estresse ocupacional.

Biografia do Autor

Manoel Francelino dos Santos Filho, Universidade Federal de Goiás

Mestre em Ciências Contábeis pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis da Universidade Federal de Goiás (PPGCONT/UFG). Possui graduação em Ciências Contábeis (2012) e especialização em Contabilidade Pública (2016), ambas pela Universidade do Sul de Santa Catarina (UNISUL). No campo profissional, tem atuado com administração e gestão pública, com ênfase nas áreas de contabilidade, orçamento, finanças e patrimônio público. Atualmente é servidor público federal no cargo de contador na Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (UNIFESSPA).

Ilírio José Rech, Universidade Federal de Goiás

É Doutor em Contabilidade e Controladoria pela FEA/USP (2012) com tese defendia na área de mensuração de ativos biológicos. É Mestre em Contabilidade pela Universidade de Brasília (UnB - 2006), Graduado e pós Graduado em Ciências Contábeis pela Universidade Federal de Mato Grosso (1993, 2002). Professor Associado da Universidade Federal de Goiás - UFG e professor permanente do Programa de Mestrado em Ciências Contábeis da UFG e do programa de Mestrado e Doutorado da FACIC/UFU. É editor associado da Revista de Contabilidade, Gestão e Governança (CGG) e revisor de diversos periódicos do Brasil entre eles a Revista ABCustos, Universo Contábil, Ambiente Contábil, Revista de Contabilidade e Finanças. Foi Membro da comissão de exames de suficiência do Conselho Federal de Contabilidade e Fiscal contador do CRC MT. Tem experiência na área de consultoria em atividades agropecuárias. Participa em projetos de avaliação de empresas na equipe da Funape/UFG. Coordena curso de pós graduação e pesquisas de iniciação científica financiadas pela FAPEMIG, FUNAPE, UFU e UFG nas áreas de avaliação de empresas e de adoção das IFRS aplicadas a empresas rurais, além de atuar no ensino de pós graduação nas áreas de Contabilidade Societária, Análise financeira e econômica, Planejamento e Contabilidade Internacional.

Referências

Almeida, D. M., Lopes, L. F. D., Costa, V. M. F., Santos, R. C. T. D., & Corrêa, J. S. (2017). Avaliação do Estresse Ocupacional no Cotidiano de Policiais Militares do Rio Grande do Sul. Revista Organizações em Contexto, 13(26), 215-238. http://dx.doi.org/10.15603/1982-8756/roc.v13n26p215-238

Andifes (2022). Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior. As mais novas universidades federais se filiam à Andifes. https://www.andifes.org.br/?p=91994

Balassiano, M., Tavares, E., & Pimenta, R. C. (2011). Estresse ocupacional na administração pública brasileira: quais os fatores impactantes?. Revista De Administração Pública, 45(3), 751 a 774. https://doi.org/10.1590/S0034-76122011000300009

Buss, L. J., Boasek, V. B ; Fonseca, J. R (2018). Estresse e Psicologia: Aspectos inter-relacionados da docência no ensino superior. Revista Diálogos Interdisciplinares GEPFIP, v. 2, p. 120-134.

Calácio, V. F. (2018). Estresse e Hábitos de Vida: um estudo com uma população de nove mil bancários. 2018. Dissertação (Mestrado em Administração) - Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Calais, S. L., Andrade, L. M. B. & Lipp, M. E. N. (2003). Diferenças de sexo e escolaridade na manifestação de Stress em adultos jovens. Psicologia: Reflexão e Crítica. v. 16, n. 2, pp. 257-263. https://doi.org/10.1590/S0102-79722003000200005

Carneiro, V. F. (2013). Qualidade de vida no trabalho e o estresse ocupacional: percepção dos auditores internos e externos da região sudeste. 2013,185 f. Dissertação (Mestrado em Administração) - Faculdades Integradas de Pedro Leopoldo, Pedro Leopoldo/RS.

Collins, K., & Killough, L. (1992). An Empirical Examination of Stress in Public Accounting. Accounting, Organizations and Society. 17. 535-547. https://doi.org/10.1016/0361-3682(92)90012-H

Cooper, C. L., & Marshall, J. Occupational sources of stress: a review of the literature relating to coronary heart disease and mental ill health. Journal of Occupational Psychology, v. 49, p. 11-28, 1976. https://doi.org/10.1111/j.2044-8325.1976.tb00325.x

Fávero, L. P. L., & Belfiore, P. P. (2017). Manual de análise de dados: estatística e modelagem multivariada com excel, SPSS e stata. Rio de Janeiro: Elsevier.

Gil, A. C. (2002). Como Elaborar Projetos de Pesquisa (4ª ed.). São Paulo: Atlas.

Hair Jr., F. (2005). Fundamentos de Métodos de Pesquisa em Administração. Porto Alegre: Bookman, 2005.

Halik, A. R., & Prieto, M. F. (2018). O estresse ocupacional dos contadores federais no fechamento do exercício financeiro. In: XXI Seminários em Administração, 2018, São Paulo. XXI SEMEAD, 2018

Hendriksen, E. S. (1999). Teoria da Contabilidade. Grupo GEN.

Iudícibus, S. (2021). Teoria da Contabilidade (12th edição). Grupo GEN.

Lipp, M. N. (2015). O stress está dentro de você. Editora Contexto.

Long, B. (1994). Stress in the Work Place: ERIC Digest.

Lopes, S. V., & Silva, M. C.. (2018). Estresse ocupacional e fatores associados em servidores públicos de uma universidade federal do sul do Brasil. Ciência & Saúde Coletiva [online]. 2018, v. 23, n. 11, pp. 3869-3880. https://doi.org/10.1590/1413-812320182311.28682015

Marcelino, J. A., & Gonçalves, B. D. L. (2021). Responsabilidade do Contador Público: um estudo sobre o conhecimento dos Contadores Públicos da microrregião de Cornélio Procópio sobre as suas responsabilidades durante a liquidação da despesa. Revista Controladoria e Gestão, 2(1), 277-292.

Martins, G. D. A., & Theóphilo, C. R. (2016). Metodologia da Investigação Científica para Ciências Sociais Aplicadas (3ª edição). Grupo GEN.

MEC (2021). Ministério da Educação. Cadastro Nacional de Cursos e Instituições de Educação Superior Cadastro - Sistema e-MEC. https://emec.mec.gov.br/emec/nova

Medeiros, A. L., de Matos, A. I. M., dos Santos Ferreira, C. A., da Silva, F. A., & Nascimento, C. D. (2019). A síndrome de Burnout e os profissionais da contabilidade. Revista Paraense de Contabilidade, 4(3), 39-51. DOI: 10.36562/rpc.v4i3.37.g33

Méndez, F., & Sepúlveda, F. (2016). A comparative study of training in the private and public sectors: evidence from the United Kingdom and the United States. Contemporary Economic Policy, 34(1), 107-118. https://doi.org/10.1111/coep.12120

Nascimento, E. M., Carvalho, M. G., & Cornacchione, E. (2021). Estresse do professor de contabilidade: modulação sob a ótica da teoria demanda-controle-suporte. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 15(4), 425-449. http://dx.doi.org/10.17524/repec.v15i4.2836

OIT (2016). Organização Internacional do Trabalho. Estresse no local de trabalho: é hora de aliviar o fardo. https://www.ilo.org/brasilia/noticias/WCMS_475248/lang--pt/index.htm

ONU (2016). Organização das Nações Unidas. Estresse no trabalho: um desafio coletivo. https://news.un.org/pt/story/2016/04/1549241-estresse-no-trabalho-um-desafio-coletivo

Ozkan, Azzem & Özdevecioğlu, Mahmut. (2012). The effects of occupational stress on burnout and life satisfaction: A study in accountants. Quality & Quantity. https://doi.org/10.1007/s11135-012-9688-1

Paschoal, T., & Tamayo, A. (2004). Validação da escala de estresse no trabalho. Estudos de Psicologia (Natal), Natal, v. 9, n. 1, p. 45-52, jan./abr. 2004. https://doi.org/10.1590/S1413-294X2004000100006

Paula, W. M. (2021). Dificuldades na profissão do Contador Público: um mapeamento sistemático no ambiente brasileiro. 2021. 65f. Dissertação (Mestrado em Contabilidade e Administração) – Programa de Pós-Graduação em Contabilidade e Administração da Fucape Pesquisas e Ensino Limitada (FUCAPE), Maranhão.

Paz, M. G. T. (2004). Poder e saúde organizacional. Em A. Tamayo (Org.), Cultura e saúde nas organizações (pp. 127-154). Porto Alegre: Artmed.

Pego, Z. O., Zille, L. P., & Soares, M. G. (2016). O Estresse Ocupacional de Servidoras Técnico-Administrativas. Revista Alcance, 23(2), 156-169. https://doi.org/10.14210/alcance.v23n2.p156-169

Pereira, E. F., Tolfo, S. R., & Nunes, T. S. (2020). Sentidos do Trabalho para Servidores Universitários Afastados por Estresse. In: XLIV Encontro da ANPAD (EnANPAD 2020). Anais..., 2020. p. 1-17.

Pereira-Ferreira, J. M., Azevedo, A. R. I., & Rocha, M. S. (2019). Análise do Estresse Ocupacional em Funcionários de um Hospital Universitário. Revista de Carreiras e Pessoas, v. 9, p. 295-314, 2019. https://doi.org/10.20503/recape.v9i3.41218

Prado, C. E. P. (2016). Occupational stress: causes and consequences. Revista Brasileira de Medicina do Trabalho. 14 (3): 285-289.

Sá, A. L. (2010). Teoria da Contabilidade. 5. ed. São Paulo: Editora Atlas, 2010. v. 1. 420p.

Sadir, M. & Lipp, M. (2013). Influência do treino de controle do estresse nas relações interpessoais no trabalho. O Mundo da Saúde. 37. 131-140. https://doi.org/10.15343/0104-7809.2013372131140

Sadir, M. A., & Lipp, N. E. M. (2009). As fontes de stress no trabalho. Revista de Psicologia da IMED, 1(1), 114-126. https://doi.org/10.18256/2175-5027/psico-imed.v1n1p114-126

Sampieri, R. H., Collado, C. F., & Lucio, M.D.P. B. (2013). Metodologia de Pesquisa (5th edição). Grupo A.

Santos Filho, M. F., & Moura, T. (2023). Processo de convergência das normas brasileiras de contabilidade aplicadas ao setor público: uma análise sob a percepção dos profissionais contábeis. Revista Razão Contábil & Finanças, v. 14, p. 1-22, 2023.

Sillas, E. P. (2012). Mulheres contabilistas: um estudo do nível de estresse das profissionais atuantes no estado do Paraná. Dissertação (Mestrado em Contabilidade) – Instituto de Ciências Sociais Aplicadas, Pontifícia Universidade Federal do Paraná, Curitiba. https://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/26045

Silva, K. M. N., & D’angelo, M. J. (2022). O papel da resiliência na relação entre o estresse e a satisfação no trabalho. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 21(2), 373-398. http://dx.doi.org/10.21529/RECADM.2022014

Silva, M. D. O. P., LOPES, C. C. V. M., & Silva, J. D. G. (2016). Estresse ocupacional na preparação das demonstrações contábeis: a percepção dos empresários e funcionários de escritórios contábeis em Pernambuco. RBC: Revista Brasileira de Contabilidade, v. 45, p. 78-79, 2016.

Smith, K.J., Rosenberg, D. L., & Timothy Haight, G. (2014). An Assessment of the Psychometric Properties of the Perceived Stress Scale-10 (PSS10) with Business and Accounting Students. Accounting Perspectives, 13(1) 29-59. https://doi.org/10.1111/1911-3838.12023

Sumar, R. R. (2021). Automatização da Contabilidade e o Futuro da Profissão Contábil. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 06, Ed. 06, Vol. 17, pp. 167-181. 10.32749/nucleodoconhecimento.com.br/contabilidade/profissao-contabil

Tabosa, M. P. O, & Cordeiro, A. T. (2018). Estresse Ocupacional: Análise do Ambiente Laboral de uma Cooperativa de Médicos de Pernambuco. Revista de Carreiras e Pessoas, 8(2), 282-303. https://doi.org/10.20503/recape.v8i2.35197

Vecchio, R. P. (2012). Comportamento Organizacional: tradução da 6ª Edição Norte Americana. Cengage Learning Brasil.

Vieira, G. F. P., Barros, I. R., & Marchiori, D. M. (2019). A Relação entre Percepção de Burocracia e Estresse no Serviço Público Federal. Revista Gestão Organizacional, 12(1), 3-16. http://dx.doi.org/10.22277/rgo.v14i1.4322

Vieira, S. S. C., Alves, F. J. dos S., & Succar Junior, F. (2012). Análise do nível de estresse do profissional de Contabilidade. Revista Contemporânea de Contabilidade, 9(18), 103-118. https://doi.org/10.5007/2175-8069.2012v9n18p103

Vilhena, S. M. R., Machado, D., Silva Filho, J. C. L. ; Carneiro, J. V. C., Muniz, J. I. G. (2021). Estresse ocupacional no contexto de trabalho dos auditores independentes. Revista de Carreiras e Pessoas, v. 11, p. 218-240.

Zanelli, J. C. (Coord.), Calzaretta, A. V., García, A. J., Lipp, M.E. N., & Chambel, M. J. (2010). Estresse nas organizações de trabalho: compreensão e intervenção baseadas em evidências. Porto Alegre: Artmed.

Publicado
2023-05-18
Como Citar
Santos Filho, M. F. dos, & Rech, I. J. (2023). Fontes do Estresse Ocupacional na Atuação dos Profissionais Contábeis no Setor Público. Revista Paraense De Contabilidade - RPC , 8(1), e97. https://doi.org/10.36562/rpc.v8i.97